quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

“Feminicídio”: a justiça, enfim, será feita

O Senado aprovou ontem a inclusão do crime conhecido como "feminicídio" no Código Penal. O termo define o homicídio praticado contra a mulher por razão de gênero ou mediante violência doméstica e/ou sexual.

A relatora do projeto é a petista Gleisi Hoffmann (caprichosamente caricaturada à esquerda), minha conterrânea.

Aleluia! Dobrem os sinos!

Finalmente a justiça será feita (se a Câmara dos Deputados não melar o projeto). Quinhentos anos depois da descoberta do Brasil, a morte de uma mulher será considerada crime e punida como tal!

Pois, até agora, somente os homens tinham essa regalia. É o que se deduz do termo “homicídio”, na interpretação – suponho – da excelentíssima relatora.

Nobre causa a da senadora, embora, na prática, nada mude: é mantida a pena de 12 a 30 anos de prisão já prescrita para o homicídio e não é eliminada a punição de outros delitos associados ao assassinato, como o estupro (tomei essa última informação emprestada do portal do PT no Senado). É claro que não se deve eliminar o agravante, ora bolas!

(Não tive – e nem pretendo ter tão cedo – acesso à integra do projeto, então pergunto: foram especificados o “femincídio” simples, doloso e qualificado?. Se não, terá sido uma indesculpável discriminação à mulher assassinada, que deve ter os mesmos direitos que o homem em igual condição...)

Voltemos ao tema central. Aplausos à senadora, mas há ainda um longo e tenebroso caminho a percorrer para que a justiça seja universal.

A começar – e ficando só na questão do gênero, para esgotar este item – a morte da mãe pelo filho tem também de ser incluída no Código Penal, pois, até o momento – Brasil, este país eternamente atrasado! – somente a morte do pai é punida. O código prevê apenas o parricídio. É hora – antes tarde do que nunca – do reconhecimento do matricídio.

E o irmão que mata o irmão e/ou a irmã comete fratricídio. O termo é derivado do latim (frater). Ora, é necessário distinguir o crime praticado pelo irmão (frater) contra a irmã (sister) por meio do sistercídio! Se a irmã for a autora do crime, liberdade total para ela! 

Avancemos. Já que temos o infanticídio, por que não também o adolescentecídio, jovencídio, adultocídio e anciãocídio?

E uma vez especificada a faixa etária, consideremos o nível social – pobrecídio, remediadocídio e ricocídio. E o grau de instrução: analfabeticídio, instruídocídio, doutorcídio.

... e assim la nave da imbecilidade va. Avanti, sempre avanti!

(Espero não ter vítima tão cedo, nem tão tarde, do blogueirocídio...)


Procuradoria de Minas pede cassação de Pimentel

Andrade e Pimentel: sob suspeita
O Ministério Público Eleitoral de Minas entrou com ação hoje pedindo a cassação do mandato do governador eleito, Fernando Pimentel (PT), e do vice, Antônio Andrade (PMDB). O procurador regional eleitoral Patrick Salgado também pediu a inelegibilidade dos dois. No entendimento do MPE, houve abuso de poder econômico por parte da campanha. A campanha da coligação encabeçada por Pimentel gastou R$ 10,1 milhões a mais do que a previsão inicial, de R$ 42 milhões. As informações são do Estado de Minas.

Na ação, o procurador argumenta que “a campanha de Fernando Pimentel e Antônio Andrade foi ilicitamente impulsionada por inaceitável abuso de poder econômico”, evidenciado “pela superação do limite de gastos e por adoção de um método dúbio de realização de despesas”. Ainda conforme o MPE, foram usadas estruturas distintas de arrecadação. Uma delas seria a conta do candidato e a outra do comitê financeiro único do PT de Minas.

No texto da ação, a dinâmica financeira adotada é classificada como “incompreensível método” de transferências mútuas entre as duas contas utilizadas durante o período de arrecadação da campanha. Pimentel recebeu doações do partido e, ao mesmo tempo, fez doações ao comité de arrecadação que totalizam R$ 13,7 milhões por meio de transferências eletrônicas, afirma a procuradoria na ação. “


Outro ponto destacado pelo Ministério Público está relacionado ao parecer técnico do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) que apontou a existência de grande número de recibos emitidos fora do prazo. Essa manobra teria sido feita, conforme a ação, para “legitimar de maneira extemporânea operações realizadas nos meses de outubro e setembro”, aliado ao fato de que “grande parte das doações realizadas pela conta do candidato ao Comitê Financeiro se deu após as eleições, ainda que uma quantia significativa tenha sido doada antes dela”. 

7,2 milhões de pessoas passam fome no Brasil

RIO  -  A ameaça da fome no país em 2013 foi mais frequente entre a população mais jovem; não branca; e vivente na zona rural. É o que mostrou, nesta quinta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ao anunciar o suplemento de Segurança Alimentar da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad 2013).

O instituto calcula que em torno de 52,05 milhões de pessoas passavam por algum tipo de insegurança alimentar em 2013 – dos quais 7,2 milhões eram do tipo mais grave. Nesse último universo, o instituto forneceu detalhes sobre como os domicílios com insegurança alime ntar grave afetavam a população brasileira por idade. (Valor Econômico)

Mais 


CPI da Abafabrás aprova relatório que pede indiciamento de 52 pessoas

BRASÍLIA - A CPI mista da Petrobrás aprovou o relatório do deputado Marco Maia (PT-RS). Com a presença de deputados e senadores da base aliada, o parecer foi aprovado por 19 parlamentares e com a objeção de oito membros da oposição. O relatório de Maia sofreu modificações nessa quarta. Na nova versão, o petista pediu o indiciamento de 52 pessoas - o que não ocorria no primeiro texto - e confirmou prejuízo aos cofres da Petrobrás na compra da refinaria de Pasadena. A jornalistas, Maia defendeu ainda a saída da atual diretoria no cargo, entre eles da presidente Graça Foster, mas ele a poupa em seu relatório.

Apesar das mudanças, CPMI encerrou seus trabalhos sob protestos da oposição, que promete trabalhar para retomar as investigações sobre o esquema de corrupção na Petrobras no próximo ano. Em seu discurso, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS/foto) defendeu que a investigação seja reaberta e aborde indícios de irregularidades nos negócios da Petrobras na África e Argentina. Ele acusou a atual presidente Graça Foster de mentir ao Congresso e de acumular a diretoria internacional da estatal para "apagar impressões digitais de corrupção". "Em qualquer país sério, a presidente da companhia seria exonerada", declarou. O relatório paralelo apresentado pelo deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) será encaminhado ao Ministério Público Federal.


A reclamação da oposição é que a comissão teve dificuldades para investigar as denúncias por manobras do governo e de seus aliados. Hoje, por exemplo, os governistas atrasaram a reunião e ontem não deram quórum. A base conseguiu anular a reunião da noite de ontem onde a maioria da oposição caminhava para derrubar o parecer de Maia.

Criação de emprego formal cai 88% em um ano

O Brasil terminou novembro com saldo positivo de 8.381 vagas em novembro. O resultado veio dentro do esperado pelo mercado financeiro, mas é o desempenho mais fraco para o mês desde 2008, quando o País enfrentava o auge da crise financeira mundial. O número mostra uma forte perda de fôlego em relação ao resultado apurado no mesmo mês do ano passado. Em novembro de 2013, houve a geração de 47.486 vagas, na série sem ajuste. Já os dados ajustados apontam que novembro do ano passado gerou 69.361 vagas. Novembro deste ano, portanto, teve uma queda na geração de postos de trabalho de 82,35% na série sem ajuste e de 87,92% na série com ajuste na comparação com o mesmo mês do ano passado. A informação é de O Estado de S.Paulo.

O dado está presente no mais recente balanço do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta tarde pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

O mercado de trabalho brasileiro acumula geração de 938.043 de empregos formais até novembro, o menor resultado para o acumulado do ano desde 2003. Naquele ano, na série ajustada, o Brasil chegou ao fim de novembro com a geração de 860.887 postos.


O fraco desempenho na geração de vagas ocorreu em função de demissões no setor de construção civil, que reduziu 48.894 postos no mês passado, seguido pela indústria de transformação (-43.700 vagas) e pela agricultura (-32.127). O desempenho desses setores contrabalançou o resultado positivo do comércio, setor que gerou 105.043 empregos no mês passado. O setor de serviços também gerou empregos em novembro, totalizando 29.526 novas vagas no período.

Senado aprova inclusão do 'feminicídio' no Código Penal

Brasília - O Senado aprovou nesta quarta-feira, 17, a inclusão do crime conhecido como "feminicídio" no Código Penal. O termo define o homicídio praticado contra a mulher por razão de gênero ou mediante violência doméstica e/ou sexual. A informação é de O Estado de S.Paulo.

A relatora do projeto, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR/foto), considerou a aprovação do texto como uma resposta às declarações do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), que há duas semanas afirmou, no plenário da Câmara, que não estupraria a deputada Maria do Rosário (PT-RS) porque "ela não merece".

"O Congresso não pode ficar impassível diante de tanta barbárie e silenciar sobre o assunto. Por isso é importante a votação do projeto", afirmou Gleisi.


Desde o episódio, a bancada feminina fazia pressão para que o projeto fosse votado. A pena definida pelo Código Penal para os crimes de "feminicídio" são de 12 a 30 anos de reclusão. O projeto segue agora para a apreciação na Câmara dos Deputados.

Suplicy se despede do Senado com críticas a 'erros' do PT

Depois de 24 anos no Senado, Eduardo Suplicy (PT-SP/foto) fez nesta quarta (17) seu discurso de despedida do Congresso com um pedido para que o PT faça uma reflexão sobre seus "erros" nos últimos anos. Ao afirmar que o partido perdeu eleitores em São Paulo –Estado que não reelegeu o petista para mais um mandato –Suplicy disse que o PT viveu um "tsunami" que reduziu a votação da sigla. A informação é da Folha de S.Paulo.

"Todos nós do PT devemos fazer uma reflexão de profundidade, especialmente em São Paulo, para conhecermos melhor as razões pelas quais encontramos tantos obstáculos. É necessário refletir sobre os erros cometidos para que venhamos a tomar medidas necessárias para prevenir, corrigir e não incidir mais nos tropeços que macularam a nossa imagem", afirmou.


Apesar do pedido de reflexão, Suplicy não mencionou escândalos de corrupção que envolveram membros do partido, como o mensalão. Mas apresentou números que comprovam a redução da força do PT em São Paulo, reduto político onde a sigla surgiu na década de 80, como a reduzida votação de Alexandre Padilha (PT) para o governo do Estado.

Dilma, Mariel e um mico chamado Petrobras

A president@ Dilma saiu ontem em defesa do empréstimo de quase US$ 1 bilhão feito pelo BNDES, em termos sigilosos, para uma empreiteira brasileira modernizar o porto cubano de Mariel.

O pretexto para a defesa transmutada em propaganda foi o anúncio do reatamento das relações diplomáticas entre Estados Unidos e Cuba.

Dilma, entre outras qualidades, sobejamente conhecidas, têm a memória curta. E nenhuma prudência.

Fosse dotada de ambos atributos e se lembraria do mico que está pagando por ter criticado, em 2009, a criação da CPI da Petrobras (que a base aliada transformou em pizza) e defendido com ênfase a solidez da empresa.


O vídeo abaixo é testemunha.


Porto de Mariel: Dilma arrota peru e esconde os ingredientes da mortadela

Dilma em visita a Fidel Castro
O reatamento das relações diplomáticas de Estados Unidos e Cuba, anunciado ontem, está sendo usado pelo governo e seu exército de mercenários na internet e seja lá onde for para justificar o financiamento de cerca de US$ 1 bilhão – e sigiloso - do porto cubano de Mariel, feito por uma das construtoras envolvidas no PeTrolão (ainda não denunciada, mas logo, logo será).

“O investimento foi ‘estratégico’”, gabou-se a president@ Dilma.

Todo investimento com dinheiro público tem uma razão primordial: ser estratégico, seja onde for feito, seja no que for feito.  

E tem de atender ao interesse público. O que não ocorreu no caso de Mariel.

Não se concebe, em primeiro lugar, o sigilo imposto ao termos do financiamento. Se é público – o agente foi o BNDES -, suas cláusulas e garantias têm de ser transparentes – e transparência pressupõe a publicidade.

Em segundo lugar, o que é mais estratégico: financiar um porto em Cuba ou, por exemplo, ampliar os portos de Paranaguá ou Santos, supersaturados e vitais para nosso comércio internacional?

Os investimentos dos governos Lula e Dilma em portos são pífios, mesquinhos – vergonhosos, para dizer a coisa nua e crua.

O interesse nacional foi, assim, pisoteado em benefício do interesse da companheirada cubana, que deu asilo e ensinou técnicas de guerrilha a muitos que hoje estão no poder ou passaram por ele (bom dia, José Dirceu). E que financiou a campanha de Lula à presidência, em 2002.

Por último, o sigilo que cerca os termos do empréstimo compromete ainda mais a imagem do governo e do partido governante, pois, com base no PeTrolão, é justificável a suspeita de que parte da grana tenha sido desviada para o PT.

Não há, portanto, motivo para dona Dilma e seus capachos arrotarem peru, quando todos sabemos que os ingredientes da mortadela dos empréstimos do BNDES serão conhecidos, mais cedo ou mais tarde. "Doa a quem doer" (não é, madame?)

Eles zombam de nós

PIB próximo a zero em 2015, aumento geral das tarifas – a primeira será a de energia elétrica – e gasolina, inflação acima da meta (previsão do BC), desemprego em ritmo ascendente, ritmo da indústria em ritmo contrário, contas públicas em frangalhos, aumento geral dos impostos com a possibilidade de recriação da CPMF (Joaquim Levy), a Petrobrás se dissolvendo no mar de lama em que o PT a colocou, a crise russa tumultuando o cenário internacional... e suas excelências juízes, deputados, ministros e a operosa e eficiente president@ da República tiveram ontem um aumento de quase 30% em seus salários, que já são um disparate em relação ao que ganha o brasileiro comum.


Eles estão zombando na nossa cara!

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Petista muda relatório da CPI e indicia 52 envolvidos no PeTrolão

Caiu a ficha: depois que a Justiça Federal transformou em réus mais de 30 envolvidos na primeira fase da Lava Jato não dava mais para o PT tapar a lama com a peneira. E o petista Marcos Maia (foto) muda a versão e diz que "tudo não passou de um mal entendido". Uma vez petralha - que faz da mentira método de ação -, sempre petralha.

Eis o que informa o site da Veja:


O relator da CPI mista da Petrobras, deputado Marco Maia (PT-RS), alterou o relatório final da comissão e pediu nesta quarta-feira o indiciamento de 52 pessoas envolvidas nos desvios da estatal – entre elas, autoridades que ocupavam postos-chave na empresa, como os ex-diretores Renato Duque, Paulo Roberto Costa, Nestor Cerveró e Pedro Barusco. Ele também mencionou vinte empresas, entre elas grandes empreiteiras, que devem ser investigadas por suas ligações com os desvios.

"A CPMI corrobora e ratifica os procedimentos de indiciamentos e denúncias adotados na esfera judicial e, considerando a existência de indícios bastantes, recomenda o aprofundamento das investigações com vistas a apurar a efetiva responsabilização de todos os investigados na Operação Lava Jato sobre os quais já foram produzidas provas de algum grau de envolvimento nos fatos apurados", diz o relatório, que deve ir a voto nesta quarta.​

No texto apresentado, o deputado afirmou que a primeira versão do documento havia sido mal interpretada porque não havia a palavra "indiciamento", e sim "responsabilização". Marco Maia cita os crimes de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, corrupção ativa, corrupção passiva, crime contra a ordem tributária e destruição de provas judiciais.

Outra mudança importante diz respeito à compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos: apesar de usar eufemismos, o petista agora admitiu um prejuízo de 561,5 milhões de dólares, ou aproximadamente 1,5 bilhão de reais, na transação. Marco Maia afirmou que sua mudança se deve a um relatório recebido da Controladoria-Geral da União (CGU) nesta terça-feira. "De fato, esta relatoria julga procedente a indicação do suposto prejuízo apontado no Relatório da Auditoria Especial da CGU, em virtude da necessária consideração da inocorrência do revamp [readequação da refinaria] para definição do valor total estimado".

O deputado Valdir Rossoni, presidente da Assembleia Legislativa, se despediu hoje dos colegas parlamentares, amigos e funcionários da Casa. Hoje foi realizada a última sessão plenária nesta legislatura. O mandato dos atuais deputados estaduais encerra no dia 31 de janeiro de 2015. A partir de 1º de fevereiro Rossoni assume mandato de deputado federal.
Rossoni disse que sai satisfeito pelo trabalho que realizou ao longo dos 24 anos como deputado estadual e, principalmente, nos últimos quatro em que esteve à frente da Presidência da Casa. “Ninguém esperava a transformação pela qual passou a Assembleia do Paraná que, somente neste ano, economizou 42,76% do orçamento. Ao longo dos quatro anos foram R$ 630 milhões devolvidos ao Governo do Estado”, disse. “E por que isso ocorreu? Porque tomamos as medidas que eram necessárias para tirar o Legislativo das páginas policiais e colocar novamente no cenário político”.





Rossoni se despede da Assembleia


O deputado Valdir Rossoni, presidente da Assembleia Legislativa, se despediu hoje dos colegas parlamentares, amigos e funcionários da Casa. Hoje foi realizada a última sessão plenária nesta legislatura. O mandato dos atuais deputados estaduais encerra no dia 31 de janeiro de 2015. A partir de 1º de fevereiro Rossoni assume mandato de deputado federal.

Rossoni disse que sai satisfeito pelo trabalho que realizou ao longo dos 24 anos como deputado estadual e, principalmente, nos últimos quatro em que esteve à frente da Presidência da Casa. “Ninguém esperava a transformação pela qual passou a Assembleia do Paraná que, somente neste ano, economizou 42,76% do orçamento. Ao longo dos quatro anos foram R$ 630 milhões devolvidos ao Governo do Estado”, disse. “E por que isso ocorreu? Porque tomamos as medidas que eram necessárias para tirar o Legislativo das páginas policiais e colocar novamente no cenário político”.

Gasto de empresas estatais com publicidade sobe 65%

As empresas estatais controladas pelo governo federal aumentaram em 65% seus gastos com publicidade de 2000 a 2013, já descontada a inflação, alcançando no ano passado um desembolso recorde de R$ 1,48 bilhão. A informação é da Folha de S.Paulo.

A despesa total das estatais com publicidade atingiu R$ 15,7 bilhões nesses 14 anos. A Petrobras, a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil responderam por 86% do investimento total.

Os valores foram corrigidos pelo IGP-M, índice de preços da Fundação Getúlio Vargas. Eles não incluem gastos das estatais com patrocínio cultural e esportivo.

O dinheiro foi destinado à promoção dessas empresas em TVs, rádios, jornais, revistas e internet. As estatais representam uma fatia significativa do gasto total do governo federal com publicidade.

Como a Folha revelou em abril, o governo federal gastou R$ 2,3 bilhões com propaganda no ano passado, um recorde. As estatais foram responsáveis por 64%. Os R$ 800 milhões restantes foram gastos pela Presidência da República e pelos ministérios.

Esta é a primeira vez que o governo divulga informações detalhadas sobre gastos das estatais. Os dados só foram liberados por causa de uma decisão do Superior Tribunal de Justiça, que deu ganho de causa a uma ação movida pela Folha e pelo jornalista Fernando Rodrigues, do UOL, empresa do Grupo Folha.



Blogs amigos do PT receberam R$ 17 milhões de estatais

O jornalista Fernando Rodrigues (ex-Folha de S.Paulo) traz hoje em seu blog a prova de que a tal “democratização da mídia” tem sido extremamente proveitosa para está na linha de frente desta campanha: os blogueiros amigos do PT.

Eles receberam R$ 17 milhões das estatais de 2010 a 2013, apesar da baixa audiência da maioria desses blogs (nem os petistas os leem, pelo visto...). O dinheiro investido neles equivale, tomando-se em conta o número de leitores, a mais de dez vez o investido em portais de grande audiência.

Reproduzo trecho da matéria, uma tabela com os valores pagos e os respectivos clientes, e dou o link da íntegra do texto.

“As 3 empresas estatais do governo federal que lideram os gastos publicitários da administração indireta também são responsáveis por um volume respeitável de publicidade digital em veículos de audiência limitada na internet.

Petrobras, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal gastaram, de 2010 a 2013, a soma de R$ 17 milhões publicando anúncios em meios de comunicação como “Opera Mundi”, “Dinheiro Vivo”, “Conversa Afiada” e “Carta Maior”.

(...)Tome-se o caso do site “Conversa Afiada”, do jornalista Paulo Henrique Amorim. Sua audiência foi de 236 mil visitantes únicos em dezembro de 2013, ano em que recebeu R$ 618,2 mil em verbas do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal.

Para ter a audiência de 1 leitor por mês no site de Paulo Henrique Amorim, os dois bancos estatais juntos gastam R$ 2,60 por ano (valor de 2013).

Como comparação, tome-se o portal Terra, cuja audiência foi de 24,9 milhões de visitantes únicos em 2013, ano em que recebeu R$ 5,5 milhões de verbas publicitárias federais. Para ter 1 leitor por mês, em média, as estatais federais tiveram de pagar apenas R$ 0,22 por ano. No caso do UOL, que é o portal líder na internet brasileira, o custo para ter 1 leitor por mês cai para R$ 0,21 por ano.”





Relatório paralelo ao da CPI acusa Graça de mentir

BRASÍLIA E RIO - Governo e oposição preveem para hoje um embate sobre a aprovação do relatório final da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras. A oposição pretende aprovar um “relatório paralelo”, confirmou ontem o senador Aécio Neves (PSDB-MG), “com propostas de indiciamentos criminais”. O texto também acusará a presidente da Petrobras, Graça Foster, de ter mentido ao Congresso quando, em depoimento à CPMI, disse que desconhecia as irregularidades na estatal. Para Aécio, Graça já sabia de parte das fraudes desde o início do ano, quando recebeu relatório sobre pagamento de propina a funcionários da Petrobras pela empresa holandesa SBM.

A bancada governista, por sua vez, preparou um relatório de quase mil páginas, sem sugestões de indiciamentos, mas com a análise de alguns contratos feitos pela Petrobras entre 2007 e 2013. Um deles é o da construção da plataforma P-57 pela SBM. (O Globo)

Mais 



PSDB pede a cassação do próximo mandato de Dilma

Painel – Folha de S.Paulo

O PSDB decidiu apresentar hoje ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral para pedir a cassação do próximo mandato de Dilma Rousseff por abuso de poder político na campanha. Um dos exemplos citados para justificar a representação será a suspeita de que os Correios favoreceram a entrega de material gráfico da candidatura petista. A ação precisa ser apresentada antes da diplomação da petista, que está marcada para amanhã.

Destinatário 
Esse tipo de ação é de competência do corregedor-geral eleitoral, o ministro João Otávio de Noronha, conhecido por ter boas relações com o PSDB.

3 em 1 
A nova ofensiva tucana no TSE inclui ainda representação por irregularidades no financiamento de campanha e Ação de Impugnação de Mandato Eletivo.

Preventivo 
O PSDB, que vem dizendo que não incentivará movimentos pelo impeachment de Dilma, quer ter com essas ações uma carta na manga para, caso se comprove ligação das contas da campanha com o escândalo da Petrobras, pedir a cassação.

No PT, acredita quem quer

O Estado de S.Paulo

O Partido dos Trabalhadores (PT), envolvido nos maiores escândalos de corrupção do Brasil na última década, está preocupado com sua imagem. Conforme dirigentes do partido discutiram em recente reunião da corrente majoritária da legenda "Partido que Muda o Brasil", o PT precisa agir para resgatar a aura "ética" que criou e cultivou nos primeiros anos de sua existência. Mais uma vez, os petistas apostam tudo na propaganda como forma de construção da realidade. No entanto, está cada vez mais claro que a imagem de partido que abriga corruptos não está associada ao PT à toa - e será preciso muito mais do que golpes de marketing para alterar essa percepção.

"É preciso passar o PT a limpo", disse Jorge Coelho, um dos vice-presidentes do partido, durante o encontro. A recomendação é pertinente, mas é difícil de acreditar que haverá qualquer esforço autêntico para que essa limpeza seja realmente realizada. Não se trata de ceticismo, mas de constatação: basta lembrar que os principais dirigentes do partido envolvidos no escândalo do mensalão, por exemplo, foram tratados pela militância e pelos líderes petistas como "presos políticos" e "guerreiros do povo brasileiro".

(...) Toda essa mobilização marqueteira tem um único propósito: salvar a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência em 2018. O recurso à nostalgia petista em relação a seu passado imaginário, no qual o partido se apresentava como uma forma de ruptura em relação a "tudo o que está aí", é articulado diretamente pelo ex-presidente. No 5.º Congresso do PT, por exemplo, Lula disse que os que não têm "compromisso ético" devem sair do partido.

Na mesma ocasião, o ex-presidente reconheceu que o PT "comete erros", mas isso é resultado de seu gigantismo, pois, segundo suas palavras, "não existe no mundo nenhuma experiência política mais bem-sucedida do que o PT". Foi esse portento, segundo o ex-presidente, que criou os instrumentos para acabar com a roubalheira no Brasil - até a delação premiada, que está na legislação desde 1990, foi citada por ele como obra petista. É assim, com esse nível de mistificação, que Lula e seus correligionários querem fazer o País acreditar que o PT, ao contrário das evidências, é um campeão da luta contra a corrupção.



Maria do Rosário ensina como se comporta um petralha

Os petralhas – a fina flor do PT em termos de ranço, dogmatismo, deslealdade intelectual e obtusidade – fazem da agressão moral uma de suas armas mais recorrentes. Os inúmeros dossiês (fajutos) que tornaram públicos, as calúnias que todo dia defecam na internet e a quebra de sigilo fiscal e bancário de seus adversários são exemplos contundentes desse procedimento corriqueiro.

Petralha ataca de todas as formas, sobretudo as mais covardes, e não admite ser repelido. Sente-se imbuído de uma missão divina, imposta por seu deus Lula, e, portanto, tudo o que fez é permitido. Quando o agredido – esse herege, merecedor do quinto dos infernos – reage, o petralha se faz de vítima e acusa quem o confronta de agressor.

A deputada federal Maria do Rosário, do PT gaúcho, é um caso clássico. Acusou, em 2003, o colega Jair Bolsonaro (PP) de estuprador – a acusação foi gravada – e quando ele revidou, na semana passada, dizendo que não a estupraria porque “você não merece”, pronto, a dita cuja aprontou o maior forfait. E seus colegas de bancada e dos partidos aliados – e até a subprocuradora-geral da República, Ela Wiecko, muito amiga dos petistas, aliás – uniu-se à sua, digamos, santa indignação.

O PT et caterva pediram abertura de processo contra Bolsonaro por quebra de decoro, a subprocuradora o acusou no STF de “incitamento ao estupro” e Rosário anuncia agora mais este lance, que é uma autêntica – e preciosa – aula de como ser petralha. Informa o Estadão:

Brasília - A deputada Maria do Rosário (PT-RS) protocolou pessoalmente nesta terça-feira, 16, no Supremo Tribunal Federal uma queixa-crime contra o deputado federal reeleito Jair Bolsonaro (PP-RJ). Rosário estava acompanhada por lideranças de movimentos feministas e outras deputadas, pedir que o parlamentar responda por calúnia e injúria.

Ora, ora, e quem acusou Bolsonaro (ou seria Boçalnaro?) de estuprador, sem apresentar sequer um indício da prática desse crime, é o que?

Paradigma de ética e moral?


Estou a cada dia mais enojado.