TRIBUNA SOFT

TRIBUNA SOFT
A rádio do jeito que você gosta

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

O que será que Lula e o PT estarão tramando?

Faltam três dias para o fim da eleição mais suja desde a redemocratização – talvez da história republicana!

Lula, Dilma e o PT não pouparam agressões, mentiras, estultices, manipulações, xingamentos. Compararam-se a Cristo e o PSDB a Herodes. Chamaram os tucanos de nazistas e Aécio de agressor de mulheres, “filhinho de papai” (como se Lula não fosse o papai de um bando de filhinhos que enriqueceram à sombra do poder), “canalha”, “bêbado” (saúde, Lula!) e outras coisas ainda mais perversas.

Forjaram até denúncia para envolver tucanos no Petrolão – denúncia que o maior operador do esquema, o doleiro Alberto Youssef, desmentiu! Mas não importa: os petralhas a continuam repercutindo, com seu furor característico, nas redes sociais. E chegaram a convocar para depor na CPI da Petrobras dois tucanos supostamente denunciados. Supostamente, sim, porque seus nomes sequer foram mencionados... Surrealismo puro!

Enquanto isso, um diretor da Petrobras apontado como integrante da quadrilha que se apossou da Petrobras para favorecer o PT e seus cúmplices falta à convocação no Congresso e apresenta um atestado médico adulterado!

Estivesse a candidata do PT na dianteira como apontam algumas pesquisas, Lula et caterva não estariam bufando de ódio!

E faltam três dias para a eleição... Eles precisam garantir a vitória da companheira, vitória da qual dependem para manter suas mordomias, “consultorias” milionárias, empregos regiamente pagos e outras vantagens que o escândalo da Petrobrás (para citar só o mais recente) trouxe à superfície.

O comportamento criminoso que Lula e o PT enfatizaram nesta eleição impõe uma pergunta: o que estarão tramando neste final da reta final?

“Vigiai e orai”, ensinou o apóstolo. O submundo em que Lula e o PT habitam aconselha aos que vivem à luz do dia mais um procedimento: “E denunciai!”

Governo do PR endurece e lança “pacotão penitenciário”

Não transferir rebelados e obrigar as operadoras a bloquear sinal de celular em presídios sob pena de multa são algumas das novas medidas

Gazeta do Povo

O governo do Paraná definiu, no início da noite de ontem, um pacote severo de medidas para conter a série de rebeliões que desde o início do ano se alastrou pelo sistema penitenciário do estado. Por meio de uma resolução (n.º 560/14), a Secretaria de Estado da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (Seju) proíbe, a partir de hoje, que os presos rebelados sejam transferidos para outras unidades penais. Além disso, o governo formulou um anteprojeto de lei que obriga as operadoras de telefonia móvel a bloquear os sinais nas prisões do estado. Só neste ano, 4.647 celulares foram apreendidos com detentos paranaenses.

Na prática, o “pacotão penitenciário” representa uma mudança na estratégia do governo, que até então era de “dialogar” com os detentos que participavam de rebeliões. O texto da resolução da Seju é taxativo: “o diretor do Departamento de Execução Penal (Depen) desta Secretaria fica proibido, durante o motim, de negociar qualquer tipo de transferência de presos da unidade amotinada para outras unidades”.


A medida visa atacar uma das principais raízes das rebeliões: 22 dos 23 motins registrados neste ano foram deflagrados por presos que queriam – e conseguiram – transferência para outras unidades penais ou para outros estados. “A ideia é mudar de estratégia e fechar um pouco o diálogo diante dos motins”, disse a secretária Maria Tereza Uille Gomes, da Seju.

Oposição aponta adulteração em atestado médico de diretor da Petrobras

(E a dona Dilma tem a cara de pau de afirmar que "mandou" investigar o escândalo da Petrobras...)


O líder do PPS na Câmara dos Deputados, Rubens Bueno (PR) pediu às presidência da CPMI da Petrobras para que investigue possível adulteração no atestado médico apresentado pelo diretor de Abastecimento, José Carlos Cosenza (foto), para não comparecer à audiência agendada para ontem. A informação é do Ucho.info.

O documento, assinado por um médico do Rio de Janeiro, informa que o funcionário da estatal teve intercorrências clínicas e precisava permanecer em repouso por 48 horas. O parlamentar também cobrou explicações para o fato de a companhia, como instituição, ter enviado à comissão um documento informando que o diretor de Abastecimento teve problemas de saúde.

“Não convocamos pessoas jurídicas, mas sim uma pessoa física”, justificou Bueno, completando ter achado “estranha” a atitude da Petrobras. O líder colocou sob suspeita o atestado apresentado por Cosenza porque nele não havia sequer menção ao CID (Código Internacional de Doenças), que a Câmara e o Senado exigem.

Já o Democratas, por meio do líder Mendonça Filho (PE) e do deputado federal Onyx Lorenzoni (RS), sugeriu que o ofício enviado à Câmara dos Deputados pela Petrobras faz parte da estratégia do PT para evitar mais um constrangimento às vésperas da eleição do segundo turno.

“Gostaria de manifestar o meu espanto com a súbita doença do diretor Cosenza no dia de seu depoimento na CPMI. Isso mais me parece uma farsa comandada pelo marketing da campanha da presidente Dilma”, definiu Mendonça Filho.

Assim como outros parlamentares da oposição, os deputados democratas apontaram suposta fraude no atestado médico, que não destacava a doença pela qual Cosenza foi afastado. Após a divulgação do atestado pela imprensa, o documento passou por uma alteração com a informação de que o “enfermo” estaria sofrendo de “crise de hipertensão”.


Tanto Mendonça quanto Onyx pediram que uma perícia técnica avaliasse qualquer adulteração do material. “Vamos avaliar se a doença é verdadeira ou se foi invenção para que ele não aparecesse”, afirmou Mendonça.

"Mentiras de Dilma me entristecem", desabafa FHC

Para o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, nesta campanha, Dilma Rousseff (PT) mostra até que ponto a "ambição pelo poder" leva um político a mentir para ganhar uma eleição.


"Ela não pode acreditar no que está dizendo. É verdade que fizemos a estabilização, que iniciamos os programas sociais. Dizer que não, para ganhar a eleição, me entristece", afirmou à Folha de S. Paulo.

ONG que reforçou ato de Dilma tem convênios com o governo federal

A Articulação Semiárido Brasileiro (ASA), entidade que levou na terça-feira a Petrolina (PE) 99 ônibus com pessoas dispostas a participar do comício da presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, recebeu R$ 587,3 milhões do governo federal nos últimos quatro anos. Só em 2014, os repasses feitos à ASA chegaram a R$ 172,8 milhões. As informações estão disponíveis no Portal da Transparência da Presidência da República. A informação é de O Globo.

O dinheiro diz respeito a convênios firmados com a entidade pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. A ASA executa programas de construção de cisternas e irrigação no semiárido da região Nordeste do país e do norte de Minas Gerais. O programa de cisternas foi lançado em 2003, no primeiro ano do governo Lula, e já resultou na construção de 552 mil reservatórios que captam água de chuva. Seu trabalho tem sido considerado de grande importância diante da seca.

O comício de Dilma em Petrolina reuniu cerca de 30 mil pessoas na terça-feira. Os 99 ônibus custeados pela ASA têm capacidade para transportar cerca de 4 mil pessoas e foram usados para levar caravanas de diferentes estados do Nordeste, além de Minas Gerais. Durante as campanhas eleitorais, quaisquer colaborações, sejam elas financeiras ou não, precisam ser declaradas à Justiça Eleitoral. No entanto, a legislação veda a contribuição de sindicatos e organizações, como a ASA, às campanhas.

Mais 



Beto faz campanha para Aécio na Boca Maldita

O governador Beto Richa (PSDB) comandou ontem um ato em favor da candidatura de Aécio Neves (PSDB), à presidência, no final da tarde, na Boca Maldita, Centro de Curitiba. Ao lado de aliados, Richa pediu empenho dos eleitores para o segundo turno da disputa presidencial entre Aécio e a presidente e candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT). A informação é do Bem Paraná.

“Eu peço aos paranaenses que neste domingo, dia 26, um voto consciente, um voto patriótico, em defesa desta nação, em defesa deste país. O Aécio não é um aventureiro, não caiu nestas eleições de paraquedas, é um politico honrado, honesto, decente, carrega no seu sangue o DNA de Tancredo Neves, um dos maiores estadistas que este Brasil conheceu”, afirmou. “Aécio já demostrou na campanha, no debate eleitorais, seriedade, equilíbrio, seguro de quem sabe o que está falando, que é o melhor para o Brasil e para a nossa gente. Não podemos perder esta chance”, defendeu o tucano.



Passeata pró-Aécio reúne 10 mil em São Paulo

Cerca de 10 mil pessoas fizeram uma passeata em apoio à candidatura de Aécio Neves (PSDB) na noite desta quarta-feira na Avenida Faria Lima, na Zona Oeste de São Paulo. O ato reuniu cerca de 10 mil pessoas e começou com uma concentração no Largo da Batata, com faixas pró-Aécio. O carro de som foi comandado pelo deputado federal Paulo Pereira da Silva (SD), o Paulinho da Força Sindical. Os manifestantes pediam a saída do PT do governo federal com palavras de ordem (Dilma terrorista!" / "Ei, ebola, leva a Dilma embora").

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o José Serra, eleito senador, participaram do ato e representaram Aécio, que tinha agenda em Minas Gerais. Em cima do carro de som estavam famosos como o ex-jogador Ronaldo, a cantora Wanessa Camargo e o humorista Juca Chaves. Fernando Henrique afirmou que os tucanos tem, em São Paulo, obrigação de eleger Aécio presidente. Serra puxou o coro "Fora PT. Participaram também Eduardo Jorge (PV) e Walter Feldman (Rede),

A estratégia é reproduzir atos como os de junho de 2013, que levaram a população às ruas. Na segunda-feira houve concentração na Avenida Paulista. O ato foi convocado pelas redes sociais, principalmente pelo WhatsApp. Mais duas manifestações pró-Aécio já estão marcadas, uma para hoje (23), na PUC-SP, às 20h, e outra na sexta-feira (24), no Mackenzie, às 18h. Os organizadores prometeram ainda mais um ato no sábado, véspera da eleição.






PT vê resultado em ataques...

A cúpula petista viu resultados na estratégia de ataques contra Aécio empregados na campanha. O comitê de Dilma avalia que o vento sopra a favor da presidente e que a estratégia final será focar os últimos dias da campanha em três faixas do eleitorado –mulheres, jovens e a nova classe média–, além de seguir explorando a crise da falta de água em São Paulo. A informação é da Folha de S.Paulo.

Com essas armas, os petistas esperam chegar no debate da Globo na sexta (24) em vantagem na disputa para repetir o modelo do último embate, na Record, marcado por tom propositivo.

Um coordenador da campanha diz que Dilma precisa garantir apenas um empate no último confronto.

A campanha também quer seguir tentando sangrar Aécio em São Paulo, onde ele tem seu melhor resultado, buscando ligar a crise hídrica no Estado a um problema de gestão tucana.

Outra arma que o PT avalia que está funcionando na reta final é o envolvimento da militância na disputa. Segundo um coordenador da campanha, a militância estava ausente, mas acordou depois das duas primeiras pesquisas do segundo turno mostrarem Aécio à frente de Dilma.

Mais

... e Aécio se diz vítima de “atentados”


Depois de rebater por dias de forma velada os ataques que vem sofrendo na propaganda oficial do PT e nas redes sociais, o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, afirmou nesta quarta (22) em seu horário eleitoral que é vítima de "atentados" à sua honra, família e biografia promovidos pela campanha da presidente Dilma Rousseff. A informação é da Folha de S.Paulo,

A mudança na estratégia ocorre depois de o Datafolha indicar queda de Aécio em diversos setores do eleitorado.

Na TV, o tucano rebateu acusações de que acabará com os bancos públicos e com programas sociais. Também se defendeu de insinuações sobre sua vida pessoal e das acusações de que é "agressivo" com mulheres.


O tucano disse ainda que Dilma tenta jogar "na lama" o nome de sua família. "Chegaram a insinuar de forma covarde que eu poderia ser desrespeitoso com as mulheres", afirmou o tucano.


Governo segura informações que podem afetar campanha de Dilma

Por decisão do governo federal, o país chegará ao segundo turno da eleição presidencial no domingo sem ter dados atualizados sobre o desempenho dos alunos em português e matemática e a arrecadação de tributos, estatísticas potencialmente negativas para a campanha da presidente Dilma Rousseff. A informação é da Folha de S.Paulo

Como a Folha informou, também só serão divulgados depois da eleição dados sobre o desmatamento e um novo estudo sobre o contingente de pobres e de miseráveis.

Avaliações independentes ou informações oficiais já publicadas sinalizam que os indicadores mostrarão piora nessas duas áreas.


TCU vai investigar atuação dos órgãos federais na crise hídrica


BRASÍLIA - O Tribunal de Contas da União (TCU) vai investigar a atuação dos órgãos federais na crise da água. A proposta, feita pelo ministro André Luís de Carvalho, é fiscalizar se o Ministério do Meio Ambiente, Agência Nacional de Águas (ANA) e outros órgãos do governo tomaram as medidas preventivas e planos de contingência necessários para evitar ou reduzir os efeitos da seca em todo o País. A informação é de O Estado de S.Paulo

Para defender a necessidade da auditoria, o ministro citou a crise no Sistema Cantareira, em São Paulo, a redução do volume de água no Rio Paraíba do Sul, no Rio, e a decretação de situação de emergência em 159 municípios de Minas Gerais por causa da estiagem.

"Bem se sabe que o interesse predominantemente nacional, pautado pela ocorrência da seca e do esgotamento dos recursos hídricos em mais de uma unidade da federação, fixa a competência da União, como ator principal, para a solução dessa crise hídrica", disse o ministro.


Saúde deixou de usar R$ 131 bilhões entre 2003 e 2014, afirma CFM

Levantamento feito pelo Conselho Federal de Medicina em parceria com a ONG Contas Abertas afirma que o Ministério da Saúde deixou de usar R$ 131 bilhões entre 2003 e 2014 na saúde pública. O período se refere aos dois mandatos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao da atual presidente, Dilma Rousseff, ambos do PT. A conta foi feita com base nos recursos autorizados pelo orçamento no período em relação ao que foi desembolsado pela pasta. Pelo cálculo feito no estudo, somente no ano passado R$ 12,78 bilhões permaneceram nos cofres. Neste ano, até outubro, dos R$ 107,4 bilhões autorizados, R$ 80 bilhões haviam sido usados. A informação é de O Estado de S.Paulo.

"Há uma histórica subutilização dos recursos. Algo incoerente, sobretudo quando analisamos as necessidades do setor", afirmou o presidente do CFM, Carlos Vital. Ele disse  que recursos seriam suficientes, por exemplo para construir 320 mil Unidades Básicas de Saúde de porte 1, destinadas para atendimentos mais simples. "O cálculo é feito apenas para dar uma dimensão do que poderia ter sido destinado para o setor e não foi", completou.

O Ministério da Saúde, em nota, contestou os dados. Afirma que nos últimos dez anos os recursos totais empenhados pela pasta alcançaram a média anual de 99% e garantiu cumprir o piso constitucional, calculado com base no que foi gasto no ano anterior, corrigido pela variação nominal do PIB.

Mais

Dilma não quer mais Paulo Bernardo no ministério

Claudio Humberto – Diário do Poder

A presidenta Dilma sinalizou a assessores próximos a intenção, caso vença domingo, de demitir o ministro Paulo Bernardo (Comunicações) e nomear o deputado paulista Ricardo Berzoini (PT), atual ministro de Relações Institucionais. Ele entende tanto de Comunicações quanto de Previdência (pasta que ocupou no governo Lula), ou seja, quase nada, mas conquistou a estima e a confiança de Dilma nos últimos meses.


Paulo Bernardo e a mulher, Gleisi Hoffmann (PT-PR), foram acusados de receber R$ 1 milhão do esquema de corrupção na Petrobras.

Tesoureiro do PT vai deixar conselho da Itaipu

Atingido pelas denúncias no escândalo da Petrobrás, o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, vai deixar o Conselho de Administração da Usina Hidrelétrica de Itaipu, antecipando em um ano e meio o final do seu mandato no cargo. Segundo o presidente do partido, Rui Falcão, o afastamento de Vaccari é uma decisão do governo que se alia a uma vontade do tesoureiro de “se concentrar mais nas atividades” da legenda. A informação é de O Estado de S.Paulo.

O anúncio da saída é providencial para a campanha de Dilma, desconfortável com os ataques dos adversários contra Vaccari. “Não há nenhuma denúncia comprovada envolvendo o companheiro Vaccari”, afirmou Falcão. O dirigente acrescentou que ele permanece cuidando das contas do PT. “Não há nenhuma razão para substituí-lo.”



quarta-feira, 22 de outubro de 2014

O que vem por aí é um plebiscito

Elio Gaspari - O Globo

Quando Marina Silva não conseguiu chegar ao segundo turno, atribuiu-se seu declínio à pancadaria que sofreu. Talvez nunca se saiba por que o balão esvaziou, mas, mesmo olhando-se para os golpes que levou, essa teoria é curta.

Foi de sua equipe que partiu a plataforma da independência do Banco Central. Admita-se que a ideia pode ser boa. Ainda assim, ela foi exposta pela educadora Neca Setubal, herdeira da família que controla o banco Itaú. Precisava? Se isso fosse pouco, dias depois, Roberto, irmão de Neca e presidente da casa bancária, disse que via "com naturalidade" uma possível eleição de Marina. Precisava? Marina falou em "atualizar" a legislação trabalhista, mas não detalhou seu projeto. Juntando-se gim e vermute, tem-se um martíni. Juntando-se banqueiro com atualização das leis trabalhistas, produz-se agrotóxico. Precisava?

Uma campanha eleitoral em que se discutiram mais as pesquisas do que as plataformas esteve mais para video game do que para escolha de um presidente da República, mas foi esse o curso que ela tomou. A comparação do resultado do primeiro turno com as estimativas das pesquisas ensinou o seguinte: os votos de Aécio Neves ficaram acima da expectativa máxima, e os de Dilma, abaixo da expectativa mínima. Disso resulta que não só é temerário dizer quem está na frente, mas é arriscado afirmar que o vencedor será eleito por pequena margem.

Os eleitores prestam atenção em pesquisas, mas votam com o coração, a cabeça e o bolso. Se a noção demofóbica segundo a qual Dilma tem o voto dos pobres tivesse alguma base, a doutora estaria eleita. Contudo, olhando-se pelo retrovisor, nunca houve ricos suficientes nos Estados Unidos e na Inglaterra para eleger os conservadores Ronald Reagan e Margaret Thatcher. Como muita gente achava que o povo brasileiro não sabia votar, o país foi governado por cinco generais escolhidos sem qualquer participação popular. O último foi-se embora deixando uma inflação de 226% e uma dívida externa (espetada) de US$ 180,2 bilhões.

Os candidatos conseguem votos pelo que dizem e pelo que fazem. Em 1994, Fernando Henrique Cardoso percebeu que ganhara a eleição quando uma mulher ergueu uma nota de um real durante um comício. Quatro anos depois, mesmo diante da ruína da fantasia do real que valia um dólar, ele foi reeleito porque os brasileiros preferiram continuar numa Mercedes que rateava a embarcar na motocicleta de Lula.

Nesta campanha, com exceção do debate da TV Record, os outros foram rasos. Em todos, os candidatos pareciam drones guiados pelo controle remoto dos marqueteiros, buscando clipes para os programas do horário gratuito. Sexta-feira, o debate da TV Globo terá tudo para ser educativo, pois nele o jogo do clipe será inútil.


A pancadaria que envolveu Dilma Rousseff e Aécio Neves roncou dos dois lados. Ambos sabiam que esqueletos tinham nos armários. As baixarias não serão suficientes para explicar o resultado que sairá das urnas. Muito menos as teorias destinadas a desqualificar os votos de quem vier a prevalecer. O que vem por aí é um plebiscito para decidir se o PT deve continuar no governo ou ir-se embora.

Ibope faturou R$ 5,2 milhões do governo Dilma

Claudio Humberto - Diário do Poder

Dos R$ 12,7 milhões pagos pelo governo Dilma Rousseff (PT) a institutos de pesquisa, R$ 11 milhões foram destinados somente a empresas do grupo Ibope. E sempre sem licitação. O Ibope embolsou R$ 5,2 milhões, por exemplo, somente nos últimos três anos e dez meses, para confirmar o que todo mundo já sabe, principalmente no governo: não sai do “traço” a audiência da TV Brasil, a “tevê do Lula”.

TV TRAÇO
A TV Brasil, em Brasília sintonizada no canal 2, é mantida pela estatal Empresa Brasil de Comunicação (EBC), criada no governo Lula.

PUBLICIDADE?
Os pagamentos do governo Dilma a institutos de pesquisa saíram da verba publicitária da Secretaria de Comunicação da Presidência.

TRABALHO FÁCIL
Em 2013, por exemplo, o Ibope recebeu do governo federal mais de R$ 1 milhão para aferir a audiência da TV Lula.

LÍDER DE AUDIÊNCIA
Outros institutos, como Datafolha e MDA, ganharam um bom dinheiro no governo Dilma, mas quase dez vezes menos que o Ibope.



O fiasco dos investimentos

O Estado de S.Paulo

De fracasso em fracasso, a presidente Dilma Rousseff completará em dezembro quatro anos de fiascos no PAC 2, a segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento. Até o réveillon, só terá conseguido inaugurar 2 de 11 grandes obras com conclusão prometida para o trimestre final de seu mandato. Neste ano, o governo até acelerou os desembolsos para investimentos, como ocorre em todo período eleitoral, mas sem desemperrar a execução da maior parte dos projetos.


Desde a gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, orçamentos e prazos têm sido rotineiramente estourados. Esse resultado é explicável por uma invulgar incompetência administrativa temperada com boas pitadas de corrupção. A faxina realizada em 2011 no Ministério dos Transportes e a longa saga de escândalos na Petrobrás são episódios importantes e instrutivos dessa história.

Tesoureiro do PT teria cobrado propina também em Itaipu

O tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, acusado de arrecadar propina no esquema de corrupção da Petrobras que teria beneficiado a campanha de Dilma Rousseff em 2010, também estaria envolvido em operações irregulares dentro da Itaipu Binacional e do fundo de pensão da empresa, o Fibra, segundo reportagem do jornal “O Globo” desta quarta-feira.

De acordo com a publicação, a denúncia contra Vaccari foi feita pelo operador financeiro Lúcio Bolonha Funaro, identificado como um dos operadores do esquema do mensalão.

Em pelo menos duas ocasiões, segundo o “Globo”, Funaro acusou Vaccari de cobrar propina em operações com fundos de pensão – na CPI dos Correios, em 2006, e na das ONGS, em 2010. Questionado pelo Ministério Público Federal, o operador disse que o tesoureiro do PT chegava a cobrar 12% de “comissão”. O dinheiro serviria para alimentar o caixa dois das campanhas políticas do Partido dos Trabalhadores.

Em 2010, Funaro sugeriu à CPI dos ONGS que Vaccari - nomeado para o conselho de administração de Itaipu por Dilma em 2003, quando ela era ministra de Minas e Energia – fosse investigado por seus negócios dentro da empresa e de seu fundo de pensão. Na ocasião, segundo o jornal, o operador disse que o tesoureiro do PT tinha um relacionamento “umbilical” com o grupo Schahin, que tem contratos bilionários com a Petrobras e com Itaipu Binacional.

A empresa de Foz do Iguaçu cedeu terrenos e projetos para a construção da Universidade Latino Americana, a cargo do consórcio Mendes Junior/Schahin, ao custo de R$ 241 milhões, com aditivos posteriores de R$ 13,9 milhões. A obra foi paralisada pelo consórcio sob o argumento de “desequilíbrio financeiro”. O TCU conclui que a falha estava no projeto feito por Itaipu.