TRIBUNA SOFT

TRIBUNA SOFT
A rádio do jeito que você gosta

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Governo arrecada 36% menos do que o esperado em leilão de internet 4G

Sercomtel, de Londrina, fica fora do pregão

Folha de S. Paulo

A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) conseguiu vender apenas quatro dos seis lotes oferecidos para expansão da internet 4G no país. Com isso, a arrecadação do governo é de R$ 4,9 bilhões, 36,3% a menos do que o esperado.

Inicialmente, o governo estimava que todos os seis grandes lotes oferecidos seriam arrematados pelo lance mínimo. Assim, a arrecadação alcançaria R$ 7,7 bilhões.

No entanto, houve apenas quatro empresas interessadas: Claro, TIM, Vivo e Algar.

Ficaram de fora Oi, Nextel e Sercomtel. Além dessas empresas, que sequer se cadastraram na disputa, foi frustrada também a expectativa de que viessem concorrentes estrangeiros.


O pregão, realizado na manhã desta terça-feira, terminou sem lances além dos iniciais, deixados nos envelopes de propostas das empresas.

Petrobrás perde mais da metade do valor no governo Dilma

O Estado de S.Paulo

SÃO PAULO - Desde o inicio do governo Dilma Rousseff, a Petrobrás já perdeu 57,77% do seu valor de mercado em dólares. Nas últimas semanas a empresa vem perdendo valor na bolsa, fato atribuído ao cenário eleitoral e aos resultados das pesquisas que apontam a reeleição da presidente Dilma.

No dia 31 de dezembro de 2010,  a estatal de petróleo do Brasil valia US$ 228,2 bilhões, e o valor caiu para US$ 96,3 bilhões no pregão da Bovespa de segunda-feira, 29.

A queda foi de US$ 131,8 bilhões. Com isso, o valor de mercado da Petrobrás ficou abaixo dos US$ 100 bilhões, colocando a empresa na segunda colocação entre as maiores empresas de capital aberto da América Latina. A fabricante de bebidas AmBev, que valorizou quase 20% no período e agora vale US$ 103,2 bilhões, passou a ocupar a primeira posição.

Contas públicas têm o pior resultado desde 2001

O Globo

BRASÍLIA - Pelo quarto mês seguido o Brasil gastou mais do que arrecadou e as contas públicas fecharam no vermelho: algo inédito na história do país. Somente em agosto, o rombo fiscal de municípios, estados, União e empresas estatais foi de nada menos que R$ 14,5 bilhões. Segundo o Banco Central, é o pior resultado para o mês visto desde quando a autoridade começou a registrar os dados em 2001. Com isso, a meta de economia para pagar juros da dívida pública estipulada para 2014 fica cada vez mais distante.

Por causa desses sucessivos déficits, o superávit acumulado nos últimos 12 meses – o principal indicador para tentar prever se o Brasil cumprirá sua meta para o ano – aprofundou a trajetória de queda. Está em R$ 47,5 bilhões. Isso representa apenas 0,94% do Produto Interno Bruto (PIB, conjunto de bens e serviços produzidos pela economia em um ano). No mês passado, essa relação era de 1,23%.


O governo já admite que não conseguirá cumprir a meta de poupar 1,9% do PIB para este ano. Esse objetivo foi estipulado para tentar recuperar a credibilidade da equipe econômica por ser considerado mais realista dos que as antigas metas de 2,3% do PIB ou até 3% do PIB.

A gestão desabonadora de Dilma

Folha de S.Paulo

Têm sido recorrentes os exemplos de má gestão no governo Dilma Rousseff (PT), pródigo em truques de contabilidade para fechar as contas públicas e irrealista em excesso nas previsões que faz para elaborar o Orçamento.

Tomem-se as receitas. Com o arrefecimento da atividade econômica, a arrecadação estagnou, ficando longe, em 2014, do crescimento superestimado pelo Planalto. Em 2015, tudo leva a crer que o cenário pífio se repita, mas o governo, ao montar suas planilhas, mais uma vez supõe um aumento.

Ao ignorar princípios de prudência que deveriam pautar seus cálculos, a atual administração não se limita a inspirar descrédito, com suas consequências deletérias para o custo da dívida pública. A atitude temerária também estimula a própria máquina a inventar manobras contábeis com o fim de disfarçar a insuficiência de recursos.

(...) Como se já não fosse em si bastante, contribui com isso para a deterioração objetiva da economia e para o aumento da incerteza a respeito do futuro do país.

O adversário de Dilma será Aécio

Não é preciso ser vidente para pressentir que consolida a chance do tucano Aécio Neves enfrentar a petista Dilma Rousseff no segundo turno.

A queda da por enquanto socialista Marina Silva é tão brutal, e constante, que ela está tecnicamente empatada com Aécio, que, por sua vez, tem registrado nas últimas semanas trajetória ascendente, embora modesta.

A curva deles está se cruzando. E nesta etapa final, quem sobe continuará subindo, quem desce continuará descendo.

A campanha de terror empreendida pelo PT contra Marina foi eficaz junto ao eleitor de classe C, mas o que a está fazendo derreter mais rapidamente são suas contradições e as inconsistências de suas propostas. Se na área econômica seu programa é sólido – e isso se deve ao esforço do finado Eduardo Campos, que Deus o tenha! – no resto é uma maçaroca. Ela não foi capaz de explicar até agora a tal da “nova política”!

Dilma e Aécio: a polarização PT-PSDB dos últimos 20 anos, que parecia encerrada com o advento de Marina, volta à cena.

O PT preferia Aécio a Marina, porque com ele seu velho discurso dos ricos versos pobres se encaixaria à perfeição.

Pode ter cometido um erro fatal ao poupá-lo após a ascensão de Marina, concentrando o fogo pesado e os tiros de metralha na por enquanto socialista e mobilizando contra ela seu fabuloso exército de mercenários na internet.

Aécio foi chamuscado na fase pré-eleitoral e no início da campanha, mas começará a disputa pelo segundo turno sem ferimentos – é o menos rejeitado dos três - e com o ânimo revigorado após sua ressurreição – sim, a morte de Eduardo Campos induziu a crer que Aécio fora com ele para a tumba.

Ele terá de enfrentar a todo-poderosa máquina publicitária e de terror do PT. Mas a candidata do PT está ferida – seu governo é um desastre anunciado que se aprofunda a cada dia. E, até o segundo turno, a delação de Alberto Youssef estará pairando sobre sua cabeça como a espada de Dâmocles.
  

Teremos, pelo visto, a eleição das eleições – que terminará numa goleada histórica dos brasileiros de brio se o PT for derrotado. Mesmo que seja por um gol.


A conta é nossa

Dilma Rousseff (PT) não quis encarar 28 km de carro para gravar um vídeo nas cercanias de Brasília. Usou helicóptero presidencial nos primeiros 10 km e só depois seguiu de carro. Curtos 18 km.  (Claudio Humberto)


Temer grava comercial com Zeca Dirceu

Deputados do PMDB-PR estão indignados com o vice Michel Temer, que gravou mensagem de apoio à reeleição do petista Zeca Dirceu, filho do ex-ministro José Dirceu, preso no processo do mensalão.(Claudio Humberto)

O buraco se aprofunda sob os pés de Gleisi

Cala-te, boca! Meu alerta de que a petista Gleisi Hoffmann caminhava para transformar-se numa candidata nanica, ameaçando tomar posição dos lanterninhas da corrida eleitoral no Paraná, começa a se comprovar.

Pesquisa Ibope divulgada ontem (veja detalhes técnicos algumas postagens abaixo) apontou que ela perdeu três preciosos pontos – ou exatos 25% das intenções de voto que tinha na rodada anterior.

Gleisi caiu de 12 para 9 pontos!

Foi a segunda queda consecutiva.

Está na casa de um dígito: resultado pavoroso, tenebroso, vexatório para quem se apresentava – e acreditava – ser a grande revelação da política paranaense. E a mais cotada para governar o Paraná a partir do ano que vem...

A campanha milionária que está fazendo - é a mais cara de todas - não foi capaz de iludir o eleitor.

Seu nariz, arrebitado graças a mãos habilidosas, murchou.

O esforço de Gleisi nesta reta final de campanha será pelo menos voltar à casa dos dois dígitos... o esforço será hercúleo!


Evoco, para encerrar, o título de postagem do dia 19: “Requiescat in pace, Gleisi”. Duvido que isso seja possível.


A OAB segue o caminho da UNE

A OAB enviou ao TSE pedido para que seja cassada a candidatura de Levy Fidelix à presidência da República por causa de suas afirmações lamentáveis no debate de domingo à noite na Record.

Provocado por Luciana Genro – que fez o mesmo que a OAB – ele fez declarações homofóbicas.

Repito: lamentável.

Mas estranho a atitude da OAB, que se insurge contra um nanico, a quem acusa de ameaçar "a paz pública" e se encolhe diante do gigante. Por que a OAB não faz o mesmo pedido em relação a Dilma Rousseff, que usa todo o aparato do estado, sem escrúpulo, e recorre à mentira, igualmente sem escrúpulo, e à manipulação, sem escrúpulo, assim como ao terrorismo, mais uma vez sem escrúpulo, em sua tentativa de reeleição?

Quem mais ameaça a paz pública é a campanha de Dilma. Acima disso, só mesmo sua reeleição...


Se não mudar a rota, e logo, a OAB corre o risco de seguir o mesmo melancólico caminho da UNE – transformar-se em uma associação pelega.

Dilma e a diplomacia petista

O Estado de S.Paulo

O vexame que a presidente Dilma Rousseff fez o País passar perante uma audiência mundial, ao utilizar a tribuna da ONU para fazer campanha eleitoral, não resultou apenas de reles cálculo marqueteiro. É a consequência natural de uma visão distorcida do que vem a ser o interesse nacional, deliberadamente confundido com o interesse do partido ao qual Dilma pertence. Logo, ao defender na ONU as supostas realizações da era lulopetista, como se elas qualificassem o Brasil no cenário internacional, Dilma sacramentou a diplomacia partidária que vem carcomendo a credibilidade brasileira. Essa crença de que a política externa do País não pode ser "apenas uma política de Estado" foi reafirmada pela presidente, com essas exatas palavras, em entrevista à revista Política Externa, a propósito de seus planos para as relações exteriores, caso seja reeleita.


Na conversa, Dilma afirmou que "aprisionar a política externa em um só modelo" - isto é, a diplomacia de Estado, e não de partido - "denota uma atitude conservadora por parte dos que não querem mudar nada". Para ela, as estratégias diplomáticas são, "antes de tudo", uma "escolha da sociedade, que se faz periodicamente por meio de eleições". Com isso, a presidente reafirma, com a maior clareza possível, que a política externa legítima é aquela ditada pelo partido vencedor das eleições - e os que a isso se opõem são desde logo "conservadores" que "não querem mudar nada".

Blefe de Requião consagra vitória de Beto

Requião dispara sua bala de prata em si mesmo.
Requião se acovarda e guarda bala de prata.
Bala de prata era supositório. Que Requião usou em si próprio.
Requião atesta publicamente a idoneidade de Beto.
Blefe de Requião consagra vitória de Beto

Qual desses títulos seria o mais adequado para comentar o enorme vexame que Requião impôs a si mesmo ontem, não disparando – como prometera – a tal “bala de prata” que aniquilaria as chances de seu adversário Beto Richa na disputa pelo Palácio Iguaçu?

Todos, exceto o terceiro: Requião não se acovardou, porque se tivesse a tal bala,  não a pouparia- passado e seu comportamento assim recomendam crer. Era tudo um blefe, uma jogada eleitoral, uma ação terrorista na reta final da eleição, eleição na qual entrou derrotado – porque ampliou ainda mais a divisão de seu partido - e sairá humilhado. Só soube xingar. Proposta de governo? Nenhuma, exceto outro blefe: congelar as tarifas de água e luz (lembram-se do pedágio?)

Requião se feriu, provavelmente de morte, porque comprovou que sua índole é perversa e que sua saúde mental exige cuidados urgentes. Tem mais quatro anos de mandato como senador e, depois dessa, somente os fanáticos ou desequilibrados ou de má fé  ou, na melhor das hipóteses, mal informados se disporão a votar nele. Começou ontem sua agonia política. Seu estado é terminal.

Se não pôde demolir a reputação de Beto é porque ela é inatacável – mesmo que Requião reprisasse o vergonhoso episódio Ferreirinha, que o elegeu pela primeira vez, em 1990, adaptado às circunstâncias e aprimorado por 24 anos de malvadezas em sua vida pública.

O recuo de Requião definiu uma campanha já definida diante da folgada dianteira de Beto sobre ele – e do resto, incluindo a outrora todo-poderosa Gleisi Hoffmann, reduzida a uma anã política. Pesquisa Ibope divulgada ontem coloca Beto 9 pontos na frente dos demais adversários somados. Só um cataclismo para impedir que ele vença em primeiro turno. Ou uma “bala de prata” – que não existe.

Com o blefe, Requião deixou de rugir. Tudo o que fizer depois da vergonha de ontem não passará de miado.

Espero que o supositório faça bem à saúde de Requião..

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Beto amplia vantagem e chega a 55% dos votos válidos

Na quarta pesquisa Ibope para o Governo do Estado, divulgada esta noite, Beto Richa (PSDB) manteve a liderança, com 47% das intenções de voto, ampliando a vantagem sobre os adversários.  Roberto Requião (PMDB), que caiu dois pontos em relação à pesquisa anterior, agora tem 28% e está 19 pontos distante de Beto Richa. A candidata do PT, Gleisi Hoffmann, perdeu três pontos e aparece com 9%, 38 pontos longe de Beto Richa. Ogier Buch (PRP) se manteve com 1%.

Considerados apenas os votos válidos, Beto chega a 55,2%, o que garante a vitória no primeiro turno.  “Nesta última semana, com o apoio da grande maioria dos paranaenses, vamos trabalhar dobrado. Quando comparam as propostas, o trabalho e o histórico de cada candidato, os eleitores estão decidindo, cada vez mais, pelo Paraná do desenvolvimento, do diálogo e do respeito”, disse Beto.

O Ibope também apontou a rejeição dos candidatos. A maior rejeição é de Requião, que tem 23%. Gleisi Hoffmann tem 22% e Beto Richa, 16%.


A pesquisa foi feita nos dias 28 e 29 de setembro, com 1.204 eleitores. A margem de erro é de três pontos percentuais e o nível de confiança é de 95%. A pesquisa foi contratada pela Sociedade Rádio Emissora Paranaense, com registro 42/2014 no TRE.


Ação contra Requião cobra devolução de R$ 23 milhões

A ação é referente a um contrato de parceria firmado em 2005, com autorização de Requião...

Gazeta do Paraná

Uma ação impetrada na Vara de Fazenda Pública de Curitiba pelo Fórum Nacional do Transporte, antigo Fórum Nacional Contra o Pedágio, na semana que passou pede a devolução de R$ 23,7 milhões aos cofres públicos por supostos danos ao erário em contratos assinados pelo então governador Roberto Requião (PMDB). Além do ex-governador, a ação anulatória com pedido de antecipação de tutela envolve ainda o DER (Departamento Estadual de Rodagem), Tecpar (Instituto de Tecnologia do Paraná), IBQP (Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade), Artur Krüger dos Passos, Rodrigo Costa da Rocha Loures, Rogério Tizzot e Mariano de Matos Macedo.

A ação é referente a um contrato de parceria firmado em 2005, com autorização de Requião, entre o DER (Departamento Estadual de Rodagem) e a Tecpar (Instituto Tecnológico do Paraná) com o objetivo de fazer o controle geométrico e tecnológico das obras feitas no governo anterior nas rodovias que fazem parte do Anel de Integração. O contrato, com prazo de 12 meses, foi assinado com dispensa de licitação ao custo de R$ 13.981.238,53.

O que causou estranheza é que 22 dias após a assinatura do contrato, o então diretor do Tecpar, Mariano de Matos Macedo, autorizado por Requião, terceirizou o serviço e firmou termo de parceria com o IBQP, uma Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) especializada em consultorias. Para o Fórum Nacional dos Transportes, a terceirização foi ilegal. O contrato com validade de seis meses teve um desembolso estimado em mais de R$ 5 milhões. Na época, o IBQP não possuía registro no Crea (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia) e nem ao menos tinha um engenheiro civil em seu quadro de funcionários, fatos que foram denunciados pela Gazeta do Paraná em diversas reportagens publicadas ainda em 2008.

Segundo a denúncia, seis meses depois, o governador autorizou um aditivo ao termo de parceria que prorrogou o contrato até junho de 2006 e o valor foi acrescido em mais R$ 2.388.000,00. Um segundo aditivo que acrescentou mais R$ 6.263.000,00 foi assinado no dia 12 de junho do mesmo ano e, com isso, o contrato de terceirização com a Oscip foi prorrogado até dezembro de 2006. Uma terceira prorrogação, em fevereiro de 2007, levou o Tecpar a desembolsar mais R$ 5.975.700,00 totalizando R$ 23.729.413,00. A ação sustenta que as prorrogações ferem a legislação.

O contrato foi auditado pelo TCE-PR (Tribunal de Contas do Paraná) que apontou irregularidades. O IBQP acabou terceirizando os serviços segundo apontou a inspeção feita pelo próprio TCE-PR. Segundo a ação proposta, os termos aditivos excederam o limite de 25% estabelecido pela legislação. Devido ao que chamou de “gritante ocorrência de lesão ao erário”, o Fórum Nacional dos Transportes quer que todos os envolvidos respondam solidariamente e reembolsem os valores pagos pelos cofres públicos.

Na antecipação de tutela, a ação pede o bloqueio de bens dos envolvidos até o limite R$ 23.729.413,60, a fim de garantir futura execução. O Fórum Nacional dos Transportes pede à Justiça que anule tanto o contrato 097/2005 firmado entre o DER e o Tecpar quanto o termo de parceira com o IBQP.

A reportagem da Gazeta do Paraná procurou a assessoria do ex-governador Roberto Requião para que ele comentasse a ação, mas não obteve retorno.


Dissidentes do PMDB denunciam Requião ao MP

O advogado Ícaro José Wolski Pires, do movimento Frente Ampla, que reúne dissidentes do PMDB, protocolou hoje, no Ministério Público Federal, em Curitiba, "notícia crime de ilicitudes cometidas" pelo senador Roberto Requião (PMDB) e família quando ele governou o Estado entre 2003 e 2010. "Requião e seus familiares realizaram diversas transações financeiras, no Brasil e no exterior, conforme documentação anexa. De acordo com o que se extrai da farta documentação, saltam aos olhos o modus operandi das transações da família, pois quase todas estas foram realizadas no Brasil em moeda estrangeira (dólar), o que, conforme a legislação nacional, é expressamente proibido visto prejudicar o sistema financeiro nacional", diz notícia assinada por 80 entidades, entre elas a UGT (União Geral dos Trabalhadores). As assinaturas foram colhidas no final de semana, na Boca Maldita de Curitiba (foto).


"Além destas transações ilícitas, o casal Requião realizou um pagamento no valor de R$ 10.000,00 (dez mil dólares), cerca de R$ 30.000,00 (trinta mil reais), em Nova Iorque - EUA, a título de uma transação imobiliária", completa a notícia, que pede ao MPF a apuração dos prováveis crimes cometidos por Requião. 


Ações da Petrobras desabam, puxando maior queda do Ibovespa em três anos

Investidores reagem à melhora de Dilma nas pesquisas

O Globo

SÃO PAULO - A uma semana das eleições, os investidores reagiram de forma negativa à maior probabilidade de reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT). Com isso, o dólar fechou em seu maior patamar desde 2008, período em que os mercados eram fortemente afetados pela crise financeira global. A moeda americana fechou em alta de 1,69%, a R$ 2,455 na compra e a R$ 2,4570 na venda, influenciada também pela maior aversão ao risco no cenário internacional. Esse é o maior valor desde os R$ 2,471 de 9 de dezembro de 2008. A reação também foi negativa na Bolsa brasileira. O Ibovespa, principal índice do mercado de ações local, fechou em queda de 4,52%, aos 54.625 pontos, o maior tombo desde 22 de setembro de 2011, quando o recuo foi de 4,82%.

Mais 


Veja também as postagens abaixo sobre o "Efeito Rousseff".

Pobre Gleisi

A petista Gleisi Hoffmann, que amarga um melancólico terceiro lugar na disputa pelo Palácio do Planalto – está 20 pontos abaixo do segundo colocado – fechou o primeiro mês de campanha com um déficit de R$ 3 milhões, aproximadamente.

Se ela esperava ajuda do PT nacional nesta reta final, esqueça. Eis o que informa a coluna Painel, da Folha de S. Paulo:

A campanha petista avisou a dirigentes que vai segurar o repasse de dinheiro aos comitês estaduais esta semana. A justificativa é que Dilma determinou uma poupança maior para o segundo turno.


Pobre Gleisi: rejeitada pelo eleitor, abandonada pelos chefes aos quais serve tão docilmente...

CNT/MDA: Dilma e Aécio sobem

Devagar, devagarinho - bem à moda mineira -, o tucano Aécio Neves vai consolidando suas chances de disputar o segundo turno com Dilma Rousseff

Pesquisa MDA divulgada hoje mostra que a presidente Dilma Rousseff ampliou a vantagem que tinha em relação a Marina Silva no primeiro turno da corrida ao Palácio do Planalto. Dilma subiu de 36% para 40,4% das intenções de voto. Marina oscilou de 27,4% a 25,2%, no limite da margem de erro na comparação para a sondagem divulgada no dia 23 de setembro. O candidato do PSDB, Aécio Neves, oscilou de 17,6% para 19,8%, também no limite da margem de erro (2,2 pontos porcentuais). A informação é de O Estado de S.Paulo.

No principal cenário de disputa para segundo turno, Dilma venceria Marina por nove pontos de vantagem. A petista tem 47,7% contra 38,7% da candidata do PSB. No levantamento anterior, Dilma tinha 42% e Marina, 41%, em situação de empate técnico.

Na disputa entre Dilma e Aécio, a presidente também ampliou a diferença e se reelegeria com 49,1% contra 36,8% do tucano. A petista tinha 45,5% contra 36,5% do tucano.


Segundo a CNT, foram entrevistados 2.002 pessoas, em 137 municípios de 25 unidades federativas das cinco regiões do País, nos dias 27 e 28 de setembro. A margem da pesquisa de erro é de 2,2 pontos porcentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o número BR-00992/2014.


Requião é investigado por ‘Farra Gastronômica’

Fábio Campana

Almoços e jantares em luxuosos restaurantes do País, despesas em bares, consumo de lanches leves, crepes, sucos naturais e até cafezinhos – tudo pago com dinheiro do contribuinte paranaense ao ex-governador Roberto Requião (PMDB) -, além do uso de aeronaves a serviço do Estado para transporte de familiares do atual senador e candidato ao governo, está sendo investigado pela Promotoria do Patrimônio Público. O caso foi compartilhado com a Procuradoria Geral da República, já que por ocupar atualmente o cargo de senador, Requião tem direito a foro privilegiado. O foco da apuração refere-se ao período em que o peemedebista exerceu o cargo de governador, entre 2003 a 2010.

A denúncia contra Requião, protocolada inicialmente em julho na Ouvidoria do Estado, motivou uma investigação administrativa preliminar, com apoio da Casa Civil e Casa Militar. Ao buscar informações sobre gastos denunciados, no entanto, não foram encontradas informações sobre gastos do ex-governador. “Não havia registros de inúmeras despesas e várias notas fiscais simplesmente sumiram”, disse o controlador geral do Estado, Carlos Eduardo de Moura. Ele decidiu então encaminhar a denúncia para o MP, que com base nos indícios encontrados, instaurou a apuração.

(...) Um total de 94 cópias de notas fiscais emitidas em nome de Requião ou da Chefia do Poder Executivo, entre fevereiro de 2003 a julho de 2009, demonstram um gasto aproximado de R$ 65 mil. Somente com estas notas, aplicando dados básicos da correção pelo índice IGP-M da Fundação Getúlio Vargas, Requião teria gasto R$ 131.198,49 para frequentar restaurantes, botecos e lanchonetes.

As notas indicam gastos do ex-governador em luxuosos restaurantes brasileiros. Na lista estão: Rubaiyat e Fasano (São Paulo), Piantella, Corrientes 348 e BSB Grill (Brasília), Porcão (Rio de Janeiro), Manjar das Garças (Belém), Ponto da Picanha (Aracajú), Le Petit Clos (Gramado), Rancho Açoriano (Florianópolis) e Casa da Lagosta (Balneário Camboriú). Em Curitiba, onde Requião ocupava a residência oficial, os restaurantes Terra Madre e Lélis Trattoria estão no roteiro.



Pela 2ª vez, Dilma chega à reta final sem plano de governo

A presidente Dilma Rousseff chega à reta final da corrida pelo Palácio do Planalto rompendo, pela segunda vez, a tradição do PT de apresentar longos programas de governo, com detalhamento de futuras ações em áreas específicas. Até agora, a seis dias do 1º turno, o comitê eleitoral apresentou apenas um texto genérico à Justiça Eleitoral, uma exigência legal de todo início de campanha. E os compromissos por escrito da petista, dizem seus auxiliares, não devem passar disso neste ano. Na campanha de 2010, a então candidata também se esquivou de apresentar suas propostas detalhadas e só lançou um panfleto com treze compromissos seis dias antes do 2º turno.

A informação é da Veja.com